COVID 19

FIM DA GRATIFICAÇÃO AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE PODE SIGNIFICAR FIM DO HOSPITAL DE CAMPANHA DE CACOAL

O HOSPITAL HÁ POUCOS DIAS NÃO TINHA INSUMOS BÁSICOS

23/05/2021 21h14Atualizado há 3 semanas
Por: REDAÇÃO

 

Ocupando instalações de um prédio do Estado que não fora concebido para a atividade hospitalar, o hospital de campanha de Cacoal está sofrendo o que se parece com uma desmobilização para encerramento de atividades.

Fontes integrantes da equipe que trabalha no hospital informaram ao E.R. que as tendas que faziam a cobertura do pátio e da garagem do hospital, onde as pessoas aguardavam pela triagem e atendimento, acabam de ser retiradas do local, onde os usuários  esperam cerca de quatro horas pelo atendimento devido a grande demanda.

Há cerca de um mês, os vereadores Lauro Garçom e Toninho de Jesus vistoriaram o hospital e denunciaram a falta de medicamentos e insumos básicos no estabelecimento, o que teria levado parentes de pessoas internadas no local, a adquirir, por conta própria, os medicamentos e insumos básicos que o hospital não tinha para oferecer.

O hospital foi inaugurado sob grande estardalhaço midiático, mas não houve planejamento para sua instalação e logo nos primeiros dias de funcionamento foi preciso recrutar médicos para trabalho voluntário.

Para resolver a crise de falta de profissionais de saúde, a prefeitura desviou recursos de outras finalidades para conceder 100% de gratificação ao pessoal que trabalha no hospital de campanha, mas maio é o último mês de gratificações.  

Esta aparente desmobilização das atividades do hospital de campanha, e  o silencio do município sobre a continuidade da gratificação e o fato de o município estar sem secretário titular na pasta da saúde há mais de um mês, sugere que o prefeito Adailton Fúria esteja apostando que estejamos no fim da pandemia, e que tudo se resolverá automaticamente sem que ele precise planejar e executar esforços nesse sentido.

Embora seja desejável que a pandemia esteja realmente no fim, não é esta a conclusão que uma observação atenta do quadro geral autorize, já que a vacinação lenta e a chegada de uma nova cepa oriunda da Índia recomendam o máximo cuidado na condução das políticas públicas de enfrentamento a crise sanitária.

 O Secretário interino da Saúde, Thiago Tezzari, em contato com o E.R. disse que a remoção das tendas é para substituição das mesmas, e que a gratificação está vigente.

Tezzari não se manifestou sobre a prorrogação da gratificação após o mês de maio.