Eleições 2022

HILDON CHAVES – UM QUADRO VISLUMBRANTE PARA O GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA

Por Lúcio Lacerda

08/08/2021 03h49Atualizado há 1 mês
Por: REDAÇÃO

Entre os nomes mais cogitados nas redes sociais como possíveis candidatos ao Governo do Estado nas eleições do ano que vem, está Hildon Chaves, Jurista, Promotor de Justiça, Professor, Empresário da Educação e Prefeito da Capital de Rondônia em seu segundo mandato, cuja biografia é um território de inesgotável inspiração para qualquer marqueteiro competente.

Nascido em 1.968 no Paraná, Hildon se formou em direito aos 23  anos de idade, em 1992, e passou no concurso para Promotor de Justiça no Estado de Rondônia, tendo sido um dos mais jovens membros da carreira do MP do Estado, onde permaneceu por mais de 20 anos.

Durante duas décadas no Ministério Público, Hildon atuou como promotor em várias cidades do interior do Estado, como Vilhena, Pimenta Bueno, Ariquemes e Cacoal, onde tomou contato direto com as várias realidades do povo de Rondônia.

Enquanto se dedicava  a sua carreira no Ministério Público, participou, juntamente com sua esposa, Ieda Chaves, da fundação do Grupo Educacional Athenas, instituição de ensino  superior que se expandiu com absoluto sucesso nos estados de Mato Grosso, Rondônia e Acre, prosperidade que o levou a deixar o Ministério Público em 2013, para se dedicar exclusivamente a atividade educacional da bem sucedida empresa familiar.

Em 2016 recebeu um convite para disputar as eleiçoes majoritárias em Porto Velho, candidatando-se a prefeito pelo PSDB e vencendo o pleito no segundo turno com 65% dos votos, tendo a partir de então se dedicado à vida política e a gestão de sua empresa.

As escolas do Grupo Athenas logo chamaram a atenção de gingantes do setor educacional e  às  vésperas de sua campanha a reeleição em 2020, no mês de junho, ele  decidiu vendê-lo  para o YDUQS ( Grupo Educacional Brasileiro fundado em 1970 no Rio de Janeiro e proprietário da universidade Estácio de Sá) pela bagatela de 120 milhões de reais.

Moralmente credenciado por uma carreira destacada no Ministério Público e por dois mandatos de Prefeito sem questionamento judicial sobre sua probidade administrativa, Hildon também emana simpáticas presunções ao eleitorado quando se apresenta como um empresário que venceu vendendo educação para o povo, e não madeiras, gasolina, bebidas ou diversões. ( nada contra, mas é que vencer vendendo educação é uma aposta muito otimista).

A carreira de  Hildon Chaves concatena acontecimentos que compõem uma verdadeira saga de herói, cujo ponto de partida é o ingresso na carreira de jovem caçador de corruptos e criminosos, enquanto promotor de justiça, culminando, com o advento da maturidade, na ampliação de sua missão em direção a educação e a atividade política.

A trilha de Hildon Chaves é estelar, poética, bela e apaixonante.

Dessa história, a depender de como for contada, deverá surgir a vitória de Hildon sobre o principal obstáculo que o separa de uma eventual eleição para Governador do Estado, qual seja: Ser conhecido e reconhecido no interior do Estado como é em Porto Velho.

A trajetória de Hildon nos informa que ele é honesto, probo, carismático, generoso e rico.

Hildon não precisa estar na política e não depende dela pra viver. Doa todo seu subsídio de prefeito para ações sociais que são realizadas pela sua esposa, a primeira dama Ieda Chaves, que a rigor  tem se destacado autonomamente como personalidade política na capital.

Além desses formidáveis adjetivos que advém naturalmente de sua ilustrada história pessoal, e que servem de premissa avaliativa sobre sua viabilidade eleitoral para o pleito de 2022, Hildon demonstra uma institucionalidade e racionalidade rara entre os quadros políticos do Estado, o que imprime o ingrediente “seriedade” em sua imagem objetiva, caractere mui desejado pelo eleitorado conservador que compõe a maior parcela da população de Rondônia.

Além dessas características pessoais de Hildon Chaves, o céu é de brigadeiro e as circunstâncias externas são muito favoráveis, já que o Governador Marcos Rocha não logrou êxito em satisfazer os anseios de mudança que o elegeram na onda de 2018, não conseguiu desenvolver uma personalidade política austera e não foi capaz de formular um discurso grandioso, fundado em princípios e abstrações elevadas, mas tem como principal proposta popular a redução da poeira nas cidades do interior do estado.

Se o atual governador é sombra de espinheiro, o Senador da República Marcos Rogério esforça-se por disputar os mesmos eleitores,  atuando de forma quase burlesca na CPI da Pandemia em favor da ala governista.

Marcos Rocha foi eleito na onda Bolsonaro, e tem toda sua legitimação como governador fundada neste movimento, e Marcos Rogério, igualmente, tenta agradar ao público bolsonarista apresentando-se como àquele que tem a benção do Presidente Jair Bolsonaro, uma divisão que certamente há subtrair o potencial eleitoral de ambos, isso  sem especular sobre qual será  o índice de aprovação do presidente em 2022.

Ivo Cassol, ao que parece, tem óbices judiciais a sua candidatura, e Leo Morais, pelo que se sabe, vive certo isolamento no interior, embora tenha trazido pra junto de si a ex vereadora  de Porto Velho, Cristiane Lopes, adversária de Chaves no segundo turno das últimas eleições com ótimo desempenho.

Concluo então, neste Estado da Arte, que, se Hildon vier a ser candidato, terá enormes chances de ser  o Governador de Rondônia, não porque eu seja capaz de adivinhar o futuro, mas porque o futuro é um desdobramento do presente, e no presente momento, Hildon Chaves tem, não apenas as melhores credenciais, como também, a melhor história de ser contada.

O que falta é um Lula Guimarães ou João Santana.