Educação

RONDÔNIA: A TECNOLOGIA, O RECADASTRAMENTO E OS APOSENTADOS...

POR FRANCISCO XAVIER GOMES Professor da Rede Estadual e Jornalista

19/08/2021 18h43Atualizado há 1 mês
Por: REDAÇÃO

Os trabalhadores do setor de educação de Rondônia enfrentam realmente muitos problemas que poderiam ser evitados, caso o governo tivesse o mínimo de respeito pelos servidores. Os problemas vão desde a retirada de direitos, como propõe o deputado Eyder Brasil, até o mecanismo de sofrimento, angústia e humilhação, todas as vezes em que um servidor solicita a aposentadoria, direito sagrado de quem deu sua contribuição e merece descanso e respeito. Lamentavelmente o problema é antigo e tudo indica que não haverá uma solução tão cedo, visto que tanto o governo, quanto a Assembleia Legislativa, não possuem nenhuma preocupação em garantir aos servidores esses direitos. Existem muitos casos de profissionais da educação que solicitaram a aposentadoria e morreram, depois de três ou quatro anos esperando a publicação no Diário Oficial. Há casos de servidores que estão cinco ou seis anos à espera. Que covardia !!!

 Durante a campanha eleitoral, em 2018, o então candidato Marcos Rocha prometeu que dotaria o estado de um sistema tecnológico moderno para tornar o Estado mais eficiente. Tudo papo furado!! Tudo conversa fiada!! Muitas coisas ficaram pior, depois da posse do coronel. Os servidores da educação tiveram a gratificação do Auxílio Transporte retirada e nenhum deputado falou nada. Aliás, se depender de deputados como Eyder Brasil, a educação em Rondônia ficará muito pior, a partir do projeto defendido por ele, exclusivamente com a finalidade de perseguir e prejudicar os servidores da educação. Na realidade, não se pode esperar muita coisa de um deputado cujo principal projeto foi para mudar o nome de uma ponte em Pimenta Bueno. Esperar que esse tipo de legislador faça alguma coisa para melhorar a educação é a mesma coisa que contrair covid-19, tomar cloroquina e ficar esperando ser curado...

 

Com relação ao sistema de documentação de servidores da Secretaria de Educação, todos os anos, os servidores são obrigados a renovarem o tal recadastramento em um site do Governo de Rondônia. E para que serve o recadastramento? Não serve para absolutamente nada!! Sempre que um servidor da educação encaminha um requerimento, solicitando algum direito, é obrigado a apresentar uma lista infinita de documentos. Aliás, todos os documentos solicitados estão no portal onde o governo faz o recadastramento. Nas Coordenações regionais de Ensino de Rondônia, existem dezenas de casos de servidores que solicitam afastamento para disputar eleições (para citar um exemplo) e o deferimento acontece oito ou nove meses depois da eleição, pela total falta de organização da SEDUC. Quando Marcos Rocha e seu secretário de educação determinaram a queima, na fogueira do obscurantismo suamysta, de milhares de livros da Literatura Brasileira que estão nas bibliotecas das escolas estaduais, muitas pessoas imaginaram que a intenção era modernizar as escolas. Lógico que não! Claro que não!! Era apenas estupidez, porque o coronel e o dublê de secretário jamais leram um dos livros vitimas da estupidez governamental...

As pessoas que entram nas chamadas Salas de Informática das escolas estaduais sabem que existem 30 ou 40 computadores, mas são raros, muito raros os casos em que cinco ou seis funcionam. O sistema de documentação e tramitação de processos é igualmente precário. Nada funciona!! Existem casos de servidores que precisam andar em vários municípios em busca de um documento, em escolas onde trabalharam, para poder pedir a aposentadoria. Isso acontece mesmo com servidores que trabalharam sempre em escolas estaduais. Os servidores passam um sufoco para encontrar documentos que a SEDUC poderia ter no sistema eletrônico, mas não tem. Todos os documentos que os servidores encaminham digitalizados, cada vez que fazem o recadastramento são extraviados pela SEDUC. Para se ter uma ideia, um servidor federal espera cerca de 30 dias para ter sua aposentadoria publicada no Diário Oficial da União. Em Rondônia, os servidores da educação esperaram dois, três, cinco e até dez anos. Já houve incontáveis casos de servidores que morreram,  enquanto esperavam a publicação de aposentadoria. A situação é vexatória!!

 Um governo que não consegue organizar um sistema de informática para facilitar a tramitação de pedidos de aposentadoria é um governo fraco, incompetente e sem nenhum compromisso em relação às promessas que fez na campanha. Nos discursos, o governo de Rondônia e a SEDUC são os órgãos mais organizados e modernos do mundo. Na prática, não possuem capacidade nem para agilizar um processo de aposentadoria. O servidor passa vida inteira trabalhando e quando pede para exercer o direito a se aposentar, ainda é humilhado pelo governo. E tudo indica que será assim, enquanto existirem os eyders e suamys da vida, porque o compromisso deles é com a retirada de direitos dos trabalhadores... Tenho dito!!!